Postagens Recentes

O PAPEL DA RELIGIÃO NA CONSTITUIÇÃO DE UMA ÉTICA UTILITÁRIA

A Religião é apresentada pela historia, e pelas ciências sócias de forma metodológica observando em sua maioria das vezes uma consciência concreta e suas múltiplas objetivações na historia, por isto neste trabalho tentarei apresentar uma filosofia da religião vislumbrando sempre que é possível alguns conceitos teológicos, no sentido de contra argumentar as ideias obsoletas do senhor Bertrand Russell em sua obra, “PORQUE NÃO SOU CRISTÃO” que tenta de forma arbitraria negar a contribuição da ética cristã na formação da humanidade.


A filosofia da religião aqui demostrada tentará esclarecer, a possibilidade e a essência formal da religião na existência da humanidade; outras palavras estudar a consciência do homem e sua auto-compreenção a partir do absoluto enquanto atingível pela inteligência. A filosofia da religião fara uma reflexão sobre a religião.


Mais o que de fato é a religião?


Todo mundo tem seu conceito sobre tal pergunta, para uma melhor abordagem vamos ter por bussola orientadora o entendimento da antiguidade, entende-se por religião a relação do homem com Deus, ou com o divino, mais logo surgi as primeiras indagações o que o homem?, e o que é Deus?, o que uni ambos?, o que é religião?, Ambos se justificam na existência, pois nunca vi ou ouvir dizer que se passasse tanto tempo estudando qualquer coisa, que não tivesse uma existência real ou irreal, este sujeito que vivi a filosofar e a se questionar e o homem. Diz:


“Feuerbach que a religião assenta na diferença essencial que existe entre o homem e o animal, pois os animais não tem nenhuma religião.(ESSENCIA DO CRISTIANISMO P.4)


A religião é um dado que esta ai e não se funda na filosofia, não é filosofia desde Blaisel Pascal costuma-se opor o deus dos filósofos ao Deus de Abrão, a religião se realiza como acontecimento humano, como uma forma na vida humana e é radicada na compreensão que o homem tem do ser e de si mesmo a religião pode ser considerada com capitulo fundamental da antropologia filosófica expressa em linguagem humana, sabemos que os últimos episódios seculares que envolveram alguns religiosos trouxe para a modernidade um pessimismo radical da religião, mais também tivemos no passados filósofos que pegam seus filhos e esposas e jogaram nos asilos com falsas justificava, nem por isso tiveram seus trabalhos maculados, mais segundo Hegel” a filosofia e religião tem em comum a busca da verdade”.


Religião não é um fenômeno situado fora do tempo, sendo assim melhor seria estudar o fundo antropológico da religião ou envies de negar sua contribuição Bertrand Russel esqueceu de analisar tais situação em sua obra promovendo assim um grande furdunço nestas questões.


Preferiu ver a religião com Lucrécio de forma dicotômica e preconceituosa, alegando que a palavra religião é utilizada no sentido vago, fundamentando sua critica em especial ao Cristianismo, que diga se de passagem comete erros gravíssimos nas interpretações teológica, é um verdadeiro atendado a teologia sistemática, exegese, hermenêutica e , escatológica.


Comentaremos algumas delas: O sentido de verdade no cristianismo é o mesmo que no budismo: no livro sagrado do budismo me refiro aqui ao transcendental milenar o fundado por Sidarta Gautama lá no TRIPITAKKA. P.128 diz” somente através da verdade do caminho de oito passos poderemos atingir o nirvana. Aqui especifico a linha do budismo pois como buda sofreu varias encarnações os entendimentos são distintos, o sentido de verdade para o budismo estaria atrelado a um caminho de oito passos, no Cristianismo vemos JESUS CRISTO, tanto nos evangelhos sinóticos, quanto nas epístolas se apresentar com o único caminho.


Sendo ele a própria verdade. “ eu sou o caminho a verdade e a vida”, associar o sentido de verdade, entre ambas as religiões, constitui-se forte erro de caráter teológico, percebe-se no entanto que a critica esta sempre ligada a condutas pessoas que por ventura cometeram suas atrocidade, onde por exemplo a figura de Policarpo que lutou arduamente contra o papa Gregório, isto também poderia ser lembrado em todo caso tem suas exceções, a perniciosidade vista por ele pela igreja, é intelectual e moral, ou seja joga no lixo Homens com Agostinho, Tomas de Aquino, Anselmo de Cantaria, Lutero, Blaisel Pascal, Leibniz, etc. ,ou seja ninguém escreveu nada que preste somente os seguidores de sua casta como ele assim se projeta, negar a contribuição do Cristianismo em aspectos éticos e anular as principais constituições de vários países, e sua leis, sua critica inaudita perfaz o sentido dos acontecimento, principalmente quando o quesito e a mulher que na maioria das culturas e vista apenas como objeto de procriação,.


A atitude de Jesus Cristo em relação a Maria Madalena e justamente uma tentativa de se trazer a discursão a situação da mulher, no cap. 8 de Marcos Cristo livra a mulher de ser apedrejada pelos fariseus que entendiam as escrituras de forma errada, sei que não acaba a violência contra a mulher, porém é indiscutível que a partir daquele momento ouvi uma certa valorização da mulher ,a ética cristã ajudou a salvar uma vida, o apostolo Paulo orienta em 1co 7 v. 13-14 cuidar e amar a esposa assim com Cristo amou a Igreja, nos ensina de certa forma a abandonar qualquer tipo de violência seja ela contra mulher ou não.


No tocante ao sexo as orientações são mau interpretada, uma coisa é proibir o sexo a outra é orientar, todos os sistemas mantem suas diretrizes referente ao sexo ,os esquimós por exemplo dão sua mulher para os visitantes dormirem com elas, isto é uma tradição, os ocidentais tem suas relações digo em sua maioria de forma hetero –afetiva desenvolve suas relações em um comportamento moldado pela igreja, ou seja casamento ,e sexo somente após o matrimonio, houveram os exageros sim, mais o tocante é; dentro do Cristianismo fundamenta-se o padrão de família ocidental, pai, mãe, filho, o senhor Bertrand Husserl por exemplo casou-se um dia, negar esta contribuição é negar as formação da família ocidental.


Estas, ao ler esta obra pensei será que estou diante de um semideus repleto de virtudes, mais quando li a pagina 53 percebi que ele se coloca em seu verdadeiro papel, mais há uma verdade quando ele se refere ao Deus metafisico este de fato foi abandonado, nisto declara Nietzsche: “Deus esta morto” ou seja o metafisico.


A RELIGIÃO E SUA FONTE


É notório sem sombra de duvida a decadência de uma religião dogmática medieval, porém e preciso salientar que a dezenas de milhares de anos atrás bem antes da invenção da escrita os homens já se dedicavam a religião, estatuetas, pinturas, por tanto a crença na existência de uma realidade maior que a do homem, serviu para definir e criar culturas e funcionou como um antidoto para a fragilidade e a evidente finitude da existência humana, a religião assumiu incontestáveis formas, e novas manifestações surgem continuamente, portanto o papel da religião e a formação de culturas, atribuir o surgimento da religião ao medo é simplesmente desprezar toda a formação cultura da humanidade.


A virtude e suas implicações


As virtudes são formadas de fatores objetivo e subjetivos: vejamos fatores objetivos estão relacionados a normas e costumes estabelecidos previamente, já , os fatores subjetivos estão relacionados a preferencia pessoas, ou seja o que é virtuoso para um povo pode não ser para o outro, com tudo o modelo escolhido para ser o correto, nada mais é do que o do capitalismo inglês que via nas maquinas a solução para todos os problemas de ordens morais e sócias, gostaria de ver se em nossos dias essa ideia teria grande aceitação.


Pois o que de crianças que passam horas e horas na frente de um computador, comendo compulsoriamente, ficando alienada ao mundo das maquinas desenvolvendo doenças, e toda uma sorte de males, a religião que produz dogmatismo, deverá ser banida definitivamente de nosso meio, com também qualquer forma de descriminação social, precisamos aprender seja com os ensinamentos de Jesus Cristo, buda, Maomé, ou Rousseau, que somos criaturas livre e que podemos exercer o direito de seguir os ensinamentos que julgamos necessário ou não para nossa vida, e que todas as experiência sejam eles de cunho positivo ou negativo, possa no mínimo nos levar uma estado de reflexão.


Referencia Bibliográfica


ANTISERI, Dario; REALE, Giovanni. História da Filosofia (vol. III). 6. ed. São Paulo: Paulus, 2003. BALTHASAR, Hans U. von. Teologia da História. São Paulo: ..

Referências. bibliográficas. ANCHIETA, Pe. ... Religiões e religiosidades – Entre a tradição e a modernidade. São Paulo: ... COOGAN, Michael D. Religiões.

Porque não sou cristão (1972), Bertrand Russell escreve um artigo intitulado A .... Porto Alegre:L&PM Pocket Plus, 2007.

Referências Bibliográficas. 5.1 ... BRANDI, F. Entre o Mito e a História. Sobre o Estruturalismo deJean-Pierre. Vernant. ... Mito e Religião na Grécia Antiga.

Referências Bibliográficas ... A BÍBLIA DE JERUSALÉM – Editora Paulus, 2000 . BÍBLIA SAGRADA – Nova Tradução na Linguagem de Hoje – Sociedade ..

. Referência Bibliográfica: CAIRNS, Earle E. O Cristianismo Através dos Séculos: Uma história da Igreja Cristã. 3 ed. São Paulo: Vida Nova, ...


Nossa Localização

O que achou do site?